Me dê o que você ainda não tem | Give me what you do not yet have

Por Nayse López |

Toda colaboração no campo da criação é um tipo de amor, de paixão pela ideia do outro, pela possibilidade de ver o mundo pelo olhar do outro. Mover-se na direção do outro. Começamos as conversas sobre este projeto e em poucos encontros já gravitávamos em torno do amor como conceito, como nome, como ruído. Mais amor, por favor, dizem os muros. Amar é dar aquilo que não se tem, diz Lacan. Um projeto de colaboração internacional, com contornos atlânticos e em blind date armado por instituições e curadores igualmente desconhecedores dos resultados possíveis, só das colisões prováveis. As constantes de quando e onde, julho carioca, o inverno que não há de fato e a paisagem do Rio, natural e a dos afetos, afetada que foi pela presença humana que aqui resiste a tudo. O Rio que recebe a Holanda e os artistas do Rio que recebem os da Holanda não sabem o que podem oferecer uns aos outros. Talvez, como disse Lacan, só possam partilhar o que ainda não têm: uma cidade e uma prática artística ainda por fazer, a descobrir. Amar se aprende amando, diz Drummond. São duplas, mas podem ser mais. Podem não ser. O tempo dos encontros cariocas dirá.

. . .

By Nayse López |

Every artistic collaboration is a kind of love, a passion for the other’s idea, the possibility of seeing the world through the eyes of the other. Moving towards the other. We started conversations about this project and in a few meetings we already fooled around the idea of love as a concept, as as name, as noise. More love, please, say the walls. To love is to give what one does not have, says Lacan. An international collaborative project with atlantic shape and blind date strategy, put together by institutions and curators ignorant of the possible outcomes, with only a grasp of the probable collisions. The constant of when and where, Rio in July, the winter that is not in fact there and the landscape, natural and of affections, affected as it has been by human presence – that here can survive everything. The Rio receiving the Netherlands and the artists of Rio receiving the Netherlands do not know what they can offer each other. Perhaps, as Lacan said, they can only share what they do not yet have: a city and an artistic practice yet to be done, to be discovered. Love is learned by loving, says poet Carlos Drummond de Andrade. They are in couples, but they can be more. Or they could not be either. The Rio meeting time will tell.


Nayse López e criadora do Festival Panorama e curadora de dança da HOBRA | Nayse López is the creator of Festival Panorama and curator of dance for HOBRA

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s