Where everything is music | Onde tudo é música

Por Emma Rekers |

Estou encantada! Sendo uma cidadã de Amsterdã, nascida e criada, meus ouvidos, coração e alma cresceram em uma cidade onde tem música, cultura, espaço e pessoas de todo o mundo. Agora estou encantada de poder expandir meus horizontes, literalmente, no Rio de Janeiro.

Para mim, a música é inseparável do físico, do corpo, da mente. Para músicos, bem como para cantores. A voz é o instrumento mais vulnerável – e escondido – que todo mundo tem.

Onde tudo é música, que música seria?

Isso seria reproduzir música? Ela estaria tentando fazer todo mundo se envolver na mesma nota, no mesmo suspiro, todos como um só? Ela está criando possibilidades para as pessoas serem, participarem, respirarem o momento? E isso importa? Realmente temos que definir isso? Alguma vez ouvimos o som onde tudo é música?

Som, música estão (escondidos) em todos nós. Em torno de todos nós, a todo momento somos confrontados com sons. Seria música? Por mais que você não queira, sempre tem som. Até mesmo quando você fica realmente quieta, você ainda assim ouve o som de sua respiração, do sangue correndo por suas veias, alguma pessoa passando, os pássaros no céu, o som do refrigerador, operários cavando, crianças brincando e bolas batendo no chão de forma irregular… batendo em ritmo sincronizado com a pá. Onde o som se torna música? Precisamos definir?

Outro aspecto seria o amor. Sim, parece clichê. Mas é o que engloba a força, a grande força que leva-nos a viver a vida. É algo que todo mundo precisa e tem.

Como podemos capturar som, música e amor? Ao coletar músicas, batidas, ritmos, canções, palavras das pessoas e recriá-las, combiná-las, mesclá-las e virá-las ao avesso. Como um ambiente sonoro, gravado, ao vivo ou ambos?

Estou com muita vontade de trabalhar com meu colega, o artista sonoro Floriano Romano. Para fazer essas perguntas a nós mesmos e provavelmente outras mil questões que vão surgir durante nossa colaboração. Misturar ideias e pensamentos com o público e com os outros artistas. Explorando o lugar onde tudo é música.

Aqui um poema de Rumi:

Onde Tudo É Música

Não se preocupe em guardar essas canções!

E se um de nossos instrumentos quebrar, não tem problema.

Caímos no lugar onde tudo é música.

O dedilhado e as notas da flauta sobem na atmosfera,

e mesmo que todas as harpas do mundo queimem,

haverão instrumentos escondidos tocando.

Então a vela cintila e apaga.

Temos uma pedrinha e uma faísca.

Essa arte de cantar é uma espuma marinha.

Os movimentos graciosos vêm de uma pérola em algum canto do fundo do oceano.

Poemas à deriva chegam e os troncos ao longo da praia, querendo!

Eles derivam de uma vagarosa e poderosa raiz que não podemos ver.

Parem com as palavras agora.

Abra a janela do centro do peito e deixe os espíritos voarem pra dentro e pra fora.

(Rumi – Poemas Selecionados)

PS: Phillip Glass é um dos compositores que transformou esses versos, em minha opinião de forma linda, em música.

. . .

By Emma Rekers |

I feel delighted! Being a citizen of Amsterdam, born and raised, my ears, heart and soul grew up in a city where there is music, culture, space and people from all over the world. Delighted to be able to expand my horizons, literally, in Rio de Janeiro, Brazil.

For me, music is inseparably connected to the physical, the body and the mind. For instrumentalists as well as singers. The voice is the most vulnerable and hidden instrument everyone owns.

Where everything is music, what would music be?

Would it be reproducing music? Is it trying to get everyone involved in the same mode, the same breath, everyone the same, as one? Is it creating possibilities for people to be, to participate, to breath in the moment? Does it actually matter? Do we really have to define it? Have we ever listened to sound where everything is music?

Sound, music is (hidden) in every one of us. All around us, every single moment we are confronted with sound. Would that be music? No matter how hard you try, there is always sound. Even when you get really quiet you still hear the sound of breath, blood running through your body, a man passing by, the birds in the sky, the sound of the refrigerator, the workingman putting piles in the soil, children playing their game with a ball that hits the ground in an irregular pattern… compared to the piles, in an evenly rhythm. Where does sound become music? Do we have to define it?

Another aspect would be: love. Yeah, that sounds like a cliché. But it is and embraces the force, a big force, one of life of living. Something everyone needs and owns.

How can we capture sound, music and love? By collecting music, beats, rhythms, songs, words from people and recreate them, combine, mix and spin them around. Like a soundscape, recorded, live or both?

I am really looking forward to work together with my colleague, the sound artist Floriano Romano. To ask ourselves these questions, and probably another 1000 questions that will pop-up during our collaboration. Mixing ideas and thoughts with the people and the other artists. Exploring where everything is music.

Here is a poem of Rumi:

Where Everything Is Music

Don’t worry about saving these songs!

And if one of our instruments breaks, it doesn’t matter.

We have fallen into the place where everything is music.

The strumming and the flute notes rise into the atmosphere,

and even if the whole world’s harp should burn up,

there will still be hidden instruments playing.

So the candle flickers and goes out.

We have a piece of flint, and a spark.

This singing art is sea foam.

The graceful movements come from a pearl somewhere on the ocean floor.

Poems reach up like spindrift and the edge of driftwood along the beach, wanting!

They derive from a slow and powerful root that we can’t see.

Stop the words now.

Open the window in the centre of your chest, and let the spirits fly in and out.

(Rumi – Selected Poems)

PS: Phillip Glass is one of the composers who set these lyrics, in my opinion beautifully, to music.


Emma Rekers é a representante da Holanda na área de música da HOBRA | Emma Rekers is the Dutch delegate in the area of music for HOBRA

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s