ARTES VISUAIS / VISUAL ARTS

CURADORA / CURATOR

Oficina de Arquitetura Travessias 4 -  Foto: Douglas Lopes

LUIZA MELLO – AUTOMATICA

Formada em História pela Universidade de São Paulo e em História da Arte pela Sorbonne (Paris I), Luiza Mello tem pós-graduação em História da Arte e Arquitetura do Brasil pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. É diretora-geral da produtora Automatica, fundada por ela em 2005, e há mais de quinze anos atua como produtora-executiva de exposições – entre elas, Retrospectiva Cildo Meirelles (no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, em 2001), Rachel Whiteread (também no MAM-RJ, em 2003), Yanomami, O Espírito da Floresta (Centro Cultural Banco do Brasil, no Rio, em 2004), Travessias (Galpão Bela Maré, Rio de Janeiro, 2011, 2013, 2014, 2015), Amor, de Luiz Zerbini (MAM, Rio de Janeiro, 2012) e Imaterialidade (SESC Belenzinho, São Paulo, 2015).

Graduated in History from the Universidade de São Paulo and in Art History from Sorbonne, in Paris, Luiza Mello has also a post-graduate degree in Art History and Architecture of Brazil from Pontifícia Universidade Católica of Rio de Janeiro. She is Automatica producing house’s general director (it was founded by her in 2005) and for more than 15 years she has been acting as an executive producer of exhibitions, such as Retrospectiva Cildo Meirelles (at Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro/Modern Art Museum of Rio de Janeiro, in 2001), Rachel Whiteread (also at the same place, in 2003), Yanomami, O Espírito da Floresta (Centro Cultural Banco do Brasil, Rio de Janeiro, in 2004), Travessias (Galpão Bela Maré, Rio de Janeiro, 2011, 2013, 2014, 2015), Amor, from Luiz Zerbini (MAM – Modern Art Museum, Rio de Janeiro, 2012) and Imaterialidade (SESC Belenzinho, São Paulo, 2015).


REPRESENTANTE DO BRASIL / BRAZILIAN DELEGATE

Marcos Chaves

MARCOS CHAVES

Iniciou sua carreira artística nos anos 1980. Sua obra é marcada pela utilização de diversos suportes e mídias, transitando entre a produção de objetos, fotografias, vídeos, desenhos e sons. Participou da Manifesta 7 – The European Biennial of Contemporary Art, na Itália (2008), da 25ª edição da Bienal Internacional de São Paulo (2002) e da primeira e quinta edições da Bienal do Mercosul, em Porto Alegre (1997 e 2005, respectivamente). Seus trabalhos foram expostos em instituições e galerias internacionais, entre elas Mori Art Museum (Japão), Museum Ludwig (Alemanha), Vaanta Art Museum (Finlândia), S|2 Gallery (Estados Unidos), Galeria Blanca Soto Arte (Espanha) e Fundação Calouste Gulbenkian (Portugal). No Rio de Janeiro, já expôs no Museu de Arte Moderna, Centro Cultural Banco do Brasil, Museu de Arte do Rio e Museu Nacional de Belas Artes, além das galerias Laura Alvim, A Gentil Carioca e Artur Fidalgo. Em São Paulo, o Museu de Arte Moderna, o CCBB e o Museu da Imagem e do Som já exibiram suas obras. É representado pela Galeria Nara Roesler.

Started his artistic career in the 1980s. His works are noted for the use of various support systems and media, going through the production of objects, photography, videos, drawings and sounds. He was part of Manifesta 7 – The European Biennial of Contemporary Art, in Italy (2008), the 25 th International Biennial of São Paulo (2002) and of the first and fifth editions of the Mercosur Biennial, in Porto Alegre (1997 and 2005, respectively). His works have been exhibited in international institutions and galleries, among them Mori Art Museum (Japan), Museum Ludwig (Germany), Vaanta Art Museum (Finland), S|2 Gallery (USA), Galeria Blanca Soto Arte (Spain) and Fundação Calouste Gulbenkian (Portugal). In Rio de Janeiro, already exhibited at the Museu de Arte Moderna (Modern Art Museum), Centro Cultural Banco do Brasil, Museu de Arte do Rio and Museu Nacional de Belas Artes, and also the galleries Laura Alvim, A Gentil Carioca and Artur Fidalgo. In São Paulo, Museu de Arte Moderna, CCBB (Cultural Center Banco do Brasil), Museu da Imagem e do Som. He is represented by Galeria Nara Roesler.


REPRESENTANTE DA HOLANDA / DUTCH DELEGATE

jonas ohlsson

JONAS OHLSSON

Jonas Ohlsson é um artista multifacetado: desenha, faz instalações e objetos, compõe música, escreve textos e toca regularmente como Bodfet & DJ Lonely. Sua arte visual é composta de coleções caóticas de referências pessoais e populares. Além da música, provocação e humor estão claramente presentes em seu trabalho, bem como sexo, drogas, política, história da arte e cultura urbana de rua. Aspectos formais, como composição e uso de cores são menos relevantes do que as experiências que Ohlsson pretende evocar. Seu background em música eletrônica permeia o processo artístico, onde a intuição e a associação livre têm papel fundamental.

Jonas Ohlsson is a multi-faceted artist: he draws, makes installations and objects, composes music, writes texts and regularly performs as Bodfet & DJ Lonely. His visual art works are composed of chaotic collections of personal and popular references. Besides music, provocation and humour are clearly present in his work, as well as sex, drugs, politics, art history and street culture. Formal aspect, like composition and the use of colors are less relevant than the experiences Ohlsson wants to evoke. His background in electronic music permeates the artistic process, in which intuition and free association play a fundamental role.