TEATRO DOC / DOC THEATRE

CURADOR / CURATOR

Tempo

TEMPO_FESTIVAL

BIA JUNQUEIRA 

Bia Junqueira é artista multidisciplinar, curadora e produtora cultural. Viveu por onze anos na França, onde atuou nas áreas de artes cênicas, audiovisual e artes plásticas. Trabalhou com Josef Svoboda, Tadeusz Kantor, Bob Wilson e Patrice Chéreau. Criou cenários para diretores como Jorge Lavelli, Bernard Sobel, Hector Babenco, Guel Arraes, Michel Melamed e direção de arte para cineastas como Laurent Perrin, Walter Lima Júnior e Marcos Bernstein. Bia lecionou na École Supérieure du Spectacle, em Paris, mediadora do Fórum Cultural Mundial em 2004, integrou o júri internacional do Divine Komedy Festival, na Polônia, em 2013-2014, e desde 2013 é jurada do Prêmio Shell de Teatro. Foi uma das fundadoras, diretoras e curadoras do festival internacional de artes cênicas riocenacontemporanea (1996–2008) e, a partir de 2009, do TEMPO_FESTIVAL. Em 2016, recebeu os Prêmios APTR e Cesgranrio de Teatro na categoria Melhor Cenografia pelo conjunto das obras Santa Joana dos Matadouros, Meu Saba e Santa.

Bia Junqueira is a multidisciplinary artist, curator and cultural producer. She lived eleven years in France, where she acted in the areas of performing, audiovisual and visual arts. She worked with Josef Svoboda, Tadeusz Kantor, Bob Wilson and Patrice Chéreau. She was a scenographer for directors such as Jorge Lavelli, Bernard Sobel, Hector Babenco, Guel Arraes, Michel Melamed and production designer for filmmakers like Laurent Perrin, Walter Lima Júnior, Marcos Bernstein. Bia was a Professor at the École Supérieure du Spectacle, in Paris, mediator at the Fórum Cultural Mundial, in 2004, a member of the international jury of Divine Komedy, in Poland, in 2013-14, and, since 2013, she is a juror at the Prêmio Shell de Teatro. She was one of the founders, directors and curators of the international performing arts festival riocontemporanea (1996-2008) and, since 2009, of TEMPO_FESTIVAL. In 2016, she was awarded the Prêmio APTR and Cesgranrio de Teatro in the category Best Scenography, for the conjunction of her works Santa Joana dos Matadouros, Meu Saba and Santa

CESAR AUGUSTO

Cesar Augusto é ator, diretor, produtor e cenógrafo, membro da Cia dos Atores. Desenvolveu e participou de projetos como o riocenacontemporanea (no Rio de Janeiro) e o Festival de Teatro de São José do Rio Preto (em São Paulo). Participou do núcleo de direção artística, através da Cia. dos Atores, do Espaço Cultural Sérgio Porto e do Teatro Ziembinski, em projetos de Ocupação Artística da Prefeitura do Rio de Janeiro. Foi diretor artístico da Ocupação CÂMBIO, no Teatro Gláucio Gill (2010-2011) e Teatro Municipal Café Pequeno (2012-2015). Desde 2013, está em cena com Conselho de Classe, de Jô Bilac. Diretor de A Tropa (texto de Gustavo Pinheiro premiado no Festival Seleção Cena Brasil 2015), A Vida de Dr. Antônio Contada por Elle Mesmo (baseado no livro Memórias de um Rato de Hotel, de João do Rio) e Mamãe, de Álamo Facó, entre seus últimos trabalhos. É curador de artes cênicas do Galpão Gamboa, agraciado com o prêmio da Associação dos Produtores de Teatro do Rio de Janeiro na categoria especial pelo projeto Gamboavista. Cesar também dirige o TEMPO_FESTIVAL, desde sua criação, e faz parte do Conselho Estadual de Política Cultural.

Cesar Augusto is an actor, director, producer and choreographer, member of Cia dos Atores. He has developed and participated in projects like riocenacontemporanea, in Rio de Janeiro, and Festival de Teatro de São José do Rio Preto, in São Paulo. He was part of the nucleus of the artistic direction of Espaço Cultural Sérgio Porto, through Cia dos Atores, and of Teatro Ziembinski, on projects of artistic occupation for Rio de Janeiro’s City Hall. He was the artistic director of Ocupação CÂMBIO, at Teatro Gláucio Gill (2010-11) and Teatro Municipal Café Pequeno (2012-15). Since 2013, he is on stage with Conselho de Classe, from Jô Bilac. He directed A Tropa (written by Gustavo Pinheiro, awarded at the Festival Seleção Cena Brasil, 2015), A Vida de Dr. Antônio Contada por Elle Mesmo (based on the book Memórias de um Rato de Hotel, by João do Rio) and Mamãe, from Álamo Facó, among his latest works. He is a curator of performing arts for Galpão Gamboa and was bestowed with the prize from the association of theater producers of Rio de Janeiro in the special category for the project Gamboavista. Cesar also directs TEMPO_FESTIVAL since its creation and is part of the Conselho Estadual de Política Cultural (State Council for Cultural Policies). 

MÁRCIA DIAS

Márcia Dias é uma das mais ativas profissionais no Brasil na área de produção cultural. Diretora da Buenos Dias Projetos e Produções Culturais, atua há mais de 25 anos na realização de projetos artísticos e culturais de naturezas diversas. Especialista em leis de incentivo à cultura, constantemente desenvolve estudos sobre as novas leis de cultura, decretos, portarias e instruções normativas, estando sempre em constante comunicação com o Ministério da Cultura e as secretarias estaduais e municipais de cultura em todo o Brasil, comentando textos e publicações legais, e ainda produzindo pareceres sobre as modificações e aprimoramentos das leis culturais. É diretora e curadora do TEMPO_FESTIVAL – Festival Internacional de Artes Cênicas do Rio de Janeiro. A partir de 2016, integrará a comissão de curadores do Festival Internacional Frinje de Madrid. Entre os projetos realizados, destaca: Pérola, de Mauro Rasi; Lenine InCité CD e DVD, gravado no Cité de La Musique, em Paris; Ser Minas Tão Gerais, de Milton Nascimento e o Grupo Ponto de Partida, no Théâtre des Champs-Élysées, em Paris, coprodução Tribo Produções Artísticas e Dream Factory; Milton Nascimento e Tambores de Minas, no Lincoln Center, em Nova York, coprodução Tribo Produções Artísticas e Dream Factory; Música & Imagem – Theatro Municipal, com 3Tempos Produções Artísticas; e Elis – A Musical, coprodução Aventura Entretenimento e MRG. O seu mais novo empreendimento é o Sistema WebCultural, voltado para a gestão de empresas e projetos culturais.

Márcia Dias is one of the most active professionals in Brazil in the area of cultural production. Director of Buenos Dias Projetos e Produções Culturais, she has been acting in the realization of artistic and cultural projects of various types for over 25 years. She is an expert in laws of incentive to culture, constantly developing studies about the newest legal rules, decrees, executive orders and normative instructions, being in constant contact with the federal Culture Ministry, the federative States’ and municipal culture departments all over Brazil, commenting on texts and legal publications, besides producing legal opinions about the modifications and improvements of cultural laws. She is one of the directors and curators of TEMPO_FESTIVAL – International Performing Arts Festival of Rio de Janeiro. Starting in 2016, she became part of the commission of curators of the Madrid International Festival Frinje. Among her projects are: Pérola, from Mauro Rasi; Lenine InCité CD/DVD, recorded at Cité de La Musique, in Paris; Ser Minas Tão Gerais, from Milton Nascimento and Grupo Ponto de Partida, Théâtre des Champs-Élysées, in Paris, a coproduction of Tribo Produções Artísticas and Dream Factory; Milton Nascimento e Tambores de Minas, Lincoln Center, New York, a coproduction of Tribo Produções Artísticas and Dream Factory; Música Imagem – Theatro Municipal, with 3Tempos Produções Artísticas; and Elis – A Musical, coproduction of Aventura Entretenimento and MRG. 


REPRESENTANTE DO BRASIL / BRAZILIAN DELEGATE

Patrick Pessoa)

PATRICK PESSOA

Patrick Pessoa é doutor em Filosofia pela UFRJ/Universität Potsdam e professor do Programa de Pós-Graduação e do Departamento de Filosofia da UFF. É editor da Revista VISO: Cadernos de Estética Aplicada (www.revistaviso.com.br) e atua como crítico teatral na Revista Questão de Crítica (www.questaodecritica.com.br). Em 2008, publicou “A segunda vida de Brás Cubas: A filosofia da arte de Machado de Assis” (Ed. Rocco), finalista do prêmio Jabuti de Teoria e Crítica Literária. Em 2013, em parceria com Alexandre Costa, publicou “A História da Filosofia em 40 Filmes” (Nau Editora). Assinou a tradução e a dramaturgia dos espetáculos “Na selva das cidades”, de Brecht, dirigido por Aderbal Freire-Filho (2011), e “Oréstia”, de Ésquilo, dirigido por Malu Galli e Bel Garcia (2012). Em 2014, em parceria com o diretor Marcio Breu, escreveu a peça “Nômades”. Em 2015, em parceria com Alexandre Costa, escreveu a peça “Labirinto” (2015), dirigida por Daniela Amorim. Em 2016, em parceria com o diretor Adriano Guimarães, escreveu a peça “O imortal: um ensaio”.

Patrick Pessoa has a doctorate in Philosophy from Rio de Janeiro’s Federal University (UFRJ) and Universität Potsdam. He is a Professor at the Philosophy Department of UFF and member of the Post-graduate program in Philosophy at the same university. He is the Editor of magazine VISO: Cadernos de Estética Aplicada  (www.revistaviso.com.br) and he acts as a theater critic for the magazine Questão de Crítica (www.questaodecritica.com.br). In 2008, published “A segunda vida de Brás Cubas: a filosofia da arte de Machado de Assis” (Editora Rocco), a finalist of the Jabuti award for Literary Theory and Criticism. In 2013, in partnership with Alexandre Costa, he published the book “A História da Filosofia em 40 Fimes”, by NAU Editora. He worked as a translator and dramaturgist for the plays “Na Selva das Cidades”, by Bertold Brecht, directed by Aderbal Freire-FIlho (2011) and Aeschylus’ “Orésia”, directed by Malu Galli and Bel Garcia (2012). I. In 2015,in partnership with Alexandre Costa, he wrote the play “Labirinto”, directed by Daniela Amorim. In 2016, in partnership with director Adriano Guimarães, he wrote the play “O imortal: um ensaio”.


REPRESENTANTE DA HOLANDA / DUTCH DELEGATE

jorgen

JÖRGEN TJON A FONG

Jörgen Tjon A Fong é diretor de arte, produtor e ator de Suriname baseado na Holanda. Formado pela Escola de Teatro de Amsterdã, abordou o Stadsschouwburg Amsterdam, um dos teatros mais antigos do país, com a proposta de dirigir e produzir uma série de programas mirando um novo público. Desde 2002, Jörgen produz e dirige peças de sua companhia, a Urban Myth, organiza debates e produz espetáculos para apresentação de novos talentos. Os eventos são um sucesso, quase sempre com lotação esgotada. As produções teatrais inspiram-se em textos clássicos, que variam de tragédias gregas à obra de escritores contemporâneos dos Estados Unidos. No palco, Jörgen reúne jovens intérpretes com bagagens culturais bem distintas. Ele também tem mestrado em Estudo de Práticas Avançadas de Teatro pela Universidade de Londres.

Jörgen Tjon A Fong is an art director, producer and actor from Suriname, who is based in the Netherlands. After graduating from the Theatre School of Amsterdam Jörgen Tjon A Fong approached the Stadsschouwburg Amsterdam, one of the oldest theatres in the Netherlands, and proposed to direct and produce several programs and aimed at a new target audience. From 2002 onwards Jörgen, with his company Urban Myth, produced and directed theatre plays, organized debates and produced shows where young talent could present themselves. The programs were and are highly successful, selling out almost every single event. The theatre productions Jörgen directed were inspired by classical plays, ranging from Greek tragedies to modern American writers. On stage, Jörgen puts together young performers with very different backgrounds. He also has a Masters in the Study of Advanced Theatre Practices from the University of London.